15 de dezembro de 2010

TRILHAS DIAGONAIS (INSENSATEZ DO CORPO NU)





Madrugada, noite alta
e todo sussurro
compõe a lira
eu aqui te desejando
em cada broto e gomos

orvalhos:
trilhas diagonais
artefatos, rastros de insensatez
e as veredas flutuam
em milhões de melodias – e o
canto se desaba no ponto certo
da fotografia

páginas inteiras, glândulas
em atentas volúpias

e chuvisca suor
um avião, um tigre

o lóbulo incontido
e a pérgula viscosa
destilam tempestade
no arrecife
da concha exata

(e risca-se o fósforo...)

e uma resina translúcida
cheirando a sexo
singra a colméia
do corpo nu

sentimentos:
voam livres
como as gaivotas
as margens
da desabotoadura da camisa

e o amor se descalça
tal e qual
veemente
diante da vitrine

ALBERT ARAÚJO
Niterói - RJ
15-12-10
Visite meu site oficial:

Um comentário:

  1. Lindos versos! Estou seguindo.

    Ficarei feliz com sua visita:

    www.valsoaressilva.blogspot.com
    www.contosprati.blogspot.com.

    Também estou no Recanto. Abraços!

    ResponderExcluir