17 de outubro de 2019

SANTUÁRIO DE SÃO PIO DE PIETRELCINA - SAN GIOVANNI RETONDO - ITÁLIA: TODO O AMOR NA CRUZ DE JESUS!




O Santuário de Padre Pio comporta cerca de 6500 fiéis, tem formato de uma grande concha, e foi erguido com a doação dos peregrinos. Foi finalizado em 2004, depois de 10 anos de construção, seguindo projeto do famoso arquiteto italiano Renzo Piano. Dizem os que gostam de números que o Santuário de padre Pio só perde para a catedral de Milão em extensão. Ali, além das eucaristias diárias, o fiel pode visitar os restos mortais de São Pio, e diante das santas relíquias depositar suas preces e orações. E nesses momentos de oração, recordar um pouco da história de São Pio, marcada por sinais miraculosos e pela perseguição de autoridades da própria Igreja.

Como sempre, nas histórias escritas pela bondade de Deus, o início é de simplicidade infinita. Quem imaginaria que aquele garotinho, nascido em 1887, na cidadela de Pietrelcina, seria um dos mais venerados santos da Igreja Católica, na Itália e no mundo, na atualidade. Batizado com o nome de Francisco, tornou-se Pio quando se fez noviço entres os Frades Capuchinhos em 1904. Canonizado em 2002 pelo Papa João Paulo II, foi definitivamente colocado entre os santos da Igreja com o nome de “São Pio de Pietrelcina”.







Atualmente, na cidade onde passou grande parte de sua vida, a singela San Giovanni Rotondo, ergue-se um admirável complexo turístico-espiritual, visitado anualmente por centenas de milhares de peregrinos de todo o mundo. O antigo convento capuchinho, de 1540, onde viveu o santo em sua humilde cela, a igreja de Santa Maria das Graças e o moderno santuário dedicado ao místico santo Pio são partes essenciais de uma visita que une história, cultura e principalmente, piedade e devoção.

















6 de outubro de 2019

CORRIDA DE SÃO JUDAS TADEU - ICARAÍ - NITERÓI



(CLICAR NA IMAGEM PARA ASSISTIR AO FILME)



 
 
 
PARÓQUIA SÃO JUDAS TADEU. UM GRANDE EVENTO QUE MARCA O JUBILEU DE DIAMANTE DA PARÓQUIA SÃO JUDAS TADEU-ICARAÍ-NITERÓI.
 
 
Paróquia São Judas Tadeu, em Icaraí, realiza a sua 1ª Corrida e Caminhada São Judas Tadeu, evento que marca as comemorações do jubileu de 60 anos da Paróquia.
 
Com organização da Trilha a pé, empresa atuante na organização de eventos esportivos, a competição oferecerá duas modalidades, corrida e caminhada para um percurso de 5Km e somente corrida para o percurso de 9Km.
 
As inscrições foram abertas oficialmente no dia 29 de maio e irão até 30 de setembro de 2019, a prova aconteceu no dia 06 de outubro, mês do padroeiro.
 
A Paróquia São Judas Tadeu, conta com a colaboração de profissionais, empresários e órgãos públicos para realização desse grandioso evento, que tem a pretensão de figurar no calendário de esportes coletivos do Município de Niterói, garantindo assim a condição de realizar novas edições todos os anos nas festividades do padroeiro, São Judas Tadeu.


 
Você empresário e devoto de São Judas Tadeu que deseja ser também um colaborador ou patrocinador desse evento, procure os organizadores ou a Paróquia São Judas Tadeu e se informe sobre o plano de participação e cotas de patrocínio, uma parceria que renderá abençoados resultados.


 
Com largada e chegada em frente a Paróquia de São Judas Tadeu, em Icaraí, o percurso de 5K (corrida e caminhada) e 9K (corrida) possui pequenos aclives e declives em asfalto, percorre a belíssima orla entre Icaraí e Charitas e com ida e volta pelo mesmo caminho. É ideal para quem está começando a caminhar e correr ou para os corredores mais experientes, que buscam desafios pessoais.


 
A Corrida e Caminhada São Judas Tadeu faz parte da comemoração do jubileu de 60 anos desta paróquia. Totalmente idealizada para a confraternização e integração de diferentes gerações, a prova possui um percurso fantástico, conectando a orla de Icaraí, São Francisco e Charitas. Com largada e chegada em ponto estratégico na Praia de Icaraí, próximo a Paróquia São Judas Tadeu e com ida e volta pelo mesmo caminho, o Circuito traz para você as distâncias de 5K e 9K, e ainda oferece duas opções de um lindo kit.
 
Muita música, diversão e um ambiente perfeito para tirar fotos incríveis com os amigos!
 
Compartilhe suas fotos e comemoração nas redes sociais com a hashtag #corridasaojudastadeu  
A premiação da Corrida São Judas Tadeu será assim distribuída:
¤ Troféu para os 5 (cinco) primeiros colocados (tempo bruto) na categoria geral feminino e masculina, nos percursos de 5K e 9K.
*Os ganhadores na Categoria geral não concorrerão nas faixas etárias.
¤ Medalhas diferenciadas para os 3 (três) primeiros colocados (tempo líquido) nas faixas etárias nas categorias feminina e masculina, nos percursos de 5K e 9K.
¤ Medalhas de “finisher” para todos os atletas que cruzarem a linha de chegada de forma legal.
¤ Troféu para as 2 (duas) maiores equipes.
¤ Premiação em dinheiro para os 3 (três) primeiros colocados de cada sexo nas corridas de 5K e 9K.
 
 


 














 
 
 
 
 
 

24 de setembro de 2019

BEIJO NA PRIMAVERA TEXTO DE ALBERTO ARAÚJO




BEIJO NA PRIMAVERA



O tema PRIMAVERA presente nas pinturas dos artistas plásticos...


23 DE SETEMBRO. Primeiro dia da Primavera. E o Sol quente despertou espalhando o seu brilho. Uma canção romântica embala você. Melodia maravilhosa. Sol de primavera, cores febris se estende até o verão. Primavera profusão de cores, guarda-sóis intensos. Árvores douradas, como se estivessem no desfile. Gaivotas, andorinhas, vidoeiros, palmeiras, coqueiros... O Sol suave intensifica sua luz no corpo inteiro.

Primavera florida, olhos, boca e lábios dourados da musa. A beleza da PRIMAVERA encanta suavemente, as tardes silenciosas. Primavera dourada. Primavera deslumbrada. Primavera apaixonada. Primavera ensolarada na valsa da propensão das flores. Poeta escreve sua poesia magnificente.   Excelente!

By ©Alberto Araújo.









1 de setembro de 2019

BÍBLIA SAGRADA É CELEBRADA EM TODO O MÊS DE SETEMBRO.



Lâmpada para os meus pés é tua palavra, 
e luz para o meu caminho.

Salmos 119:105





A BÍBLIA SAGRADA – o livro mais lido, traduzido e distribuído no mundo desde as suas origens, foi considerada sagrada e de grande importância. E, como tal, deveria ser conhecida e compreendida por toda a humanidade. A necessidade de difundir seus ensinamentos, através dos tempos e entre os mais variados povos, resultou em inúmeras traduções para os mais variados idiomas. 

Hoje é possível encontrar a Bíblia, completa ou em porções, em mais de 2.527 línguas diferentes (levantamento de dez/2010).


OS ORIGINAIS

Os originais da Bíblia são a base para a elaboração de uma tradução confiável das Escrituras. Porém, não existe nenhuma versão original de manuscrito da Bíblia, mas sim cópias de cópias. Todos os autógrafos, isto é, os livros originais, como foram escritos por seus autores, se perderam. As traduções confiáveis das Escrituras Sagradas baseiam-se nas melhores e mais antigas cópias que existem e que foram encontradas graças às descobertas arqueológicas.
Grego, hebraico e aramaico. Esses foram os idiomas utilizados para escrever os originais das Escrituras Sagradas.


ANTIGO TESTAMENTO

A maior parte foi escrita em hebraico e alguns textos em aramaico.




NOVO TESTAMENTO


Foi escrito originalmente, em grego, que era a língua mais utilizada na época.

Para a tradução do Antigo Testamento, a SBB utiliza a Bíblia Stuttgartensia, publicada pela Sociedade Bíblica Alemã. Já para o Novo Testamento, é utilizado The Greek New Testament, editado pelas Sociedades Bíblicas Unidas. Essas são as melhores edições dos textos hebraicos e gregos que existem hoje, disponíveis para tradutores.


ANTIGO TESTAMENTO HEBRAICO


Muitos séculos antes de Cristo, os escribas, sacerdotes, profetas, reis e poetas do povo hebreu mantiveram registros de sua história e de seu relacionamento com Deus. Esses registros tinham grande significado e importância em suas vidas e, por isso, foram copiados muitas vezes, e passados de geração em geração.

Com o passar do tempo, esses relatos sagrados foram reunidos em coleções conhecidas por:

A LEI
Composta pelos livros de Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio.

OS PROFETAS
Incluíam os livros de Isaías, Jeremias, Ezequiel, os Doze Profetas Menores, Josué, Juízes, 1 e 2 Samuel e 1 e 2 Reis.

AS ESCRITURAS
Reuniam o grande livro de poesia, os Salmos, além de Provérbios, Jó, Ester, Cantares de Salomão, Rute, Lamentações, Eclesiastes, Daniel, Esdras, Neemias e 1 e 2 Crônicas.

Esses três grandes conjuntos de livros, em especial o terceiro, não foram finalizados antes do Concílio Judaico de Jamnia, que ocorreu por volta de 95 d.C.

Os livros do Antigo Testamento foram escritos em longos pergaminhos confeccionados em pele de cabra e copiados cuidadosamente pelos escribas. Geralmente, cada um desses livros era escrito em um pergaminho separado, embora A Lei frequentemente, fosse copiada em dois grandes pergaminhos. O texto era escrito em hebraico da direita para a esquerda e, apenas alguns capítulos, em dialeto aramaico.

Hoje se tem conhecimento de que o pergaminho de Isaías é o mais remoto trecho do Antigo Testamento em hebraico. Estima-se que foi escrito durante o século II a.C. e se assemelha muito ao pergaminho utilizado por Jesus na Sinagoga, em Nazaré. Foi descoberto em 1947, juntamente, com outros documentos em uma caverna próxima ao Mar Morto.


NOVO TESTAMENTO GREGO


Os primeiros manuscritos do Novo Testamento que chegaram até nós são algumas das cartas do Apóstolo Paulo, destinadas a pequenos grupos de pessoas de diversos povoados que acreditavam no Evangelho por ele pregado. A formação desses grupos marca o início da igreja cristã.

As cartas de Paulo eram recebidas e preservadas com todo o cuidado. Não tardou para que esses manuscritos fossem solicitados por outras pessoas. Dessa forma, começaram a ser largamente copiados e as cartas de Paulo passaram a ter grande circulação.

A necessidade de ensinar novos convertidos e o desejo de relatar o testemunho dos primeiros discípulos em relação à vida e aos ensinamentos de Cristo resultaram na escrita dos Evangelhos que, na medida em que as igrejas cresciam e se espalhavam, passaram a ser muito solicitados. Outras cartas, exortações, sermões e manuscritos cristãos similares também começaram a circular.

O mais antigo fragmento do Novo Testamento hoje conhecido é um pequeno pedaço de papiro escrito no início do século II d.C. Nele estão contidas algumas palavras de João 18.31-33, além de outras referentes aos versículos 37 e 38. Nos últimos 100 anos descobriu-se uma quantidade considerável de papiros contendo o Novo Testamento e o texto em grego do Antigo Testamento.


OUTROS MANUSCRITOS


Além dos livros que compõem o nosso atual Novo Testamento, havia outros que circularam nos primeiros séculos da era cristã, como as Cartas de Clemente, o Evangelho de Pedro, o Pastor de Hermas, e o Didache (ou Ensinamento dos Doze Apóstolos).

Durante muitos anos, embora os evangelhos e as cartas de Paulo fossem aceitos de forma geral, não foi feita nenhuma tentativa de determinar quais dos muitos manuscritos eram realmente autorizados. Entretanto, gradualmente o julgamento das igrejas, orientado pelo Espírito de Deus, reuniu a coleção das Escrituras que constituíam um relato mais fiel sobre a vida e ensinamentos de Jesus. No Século IV d.C. foi estabelecido entre os concílios das igrejas um acordo comum, e o Novo Testamento foi constituído.

Os dois manuscritos mais antigos da Bíblia em grego podem ter sido escritos naquela ocasião o grande Codex Sinaiticus e o Codex Vaticanus. Estes dois inestimáveis manuscritos contêm quase a totalidade da Bíblia em grego. Ao todo são aproximadamente 20 manuscritos do Novo Testamento escritos nos primeiros cinco séculos.

Quando Constantino proclamou e impôs o cristianismo como única religião oficial no Império Romano, no final do Século IV, surgiu uma demanda nova e mais ampla por boas cópias de livros do Novo Testamento. É possível que o grande historiador Eusébio de Cesareia (263–340) tenha conseguido demonstrar ao imperador o quanto os livros dos cristãos já estavam danificados e usados, porque o imperador encomendou 50 cópias para igrejas de Constantinopla. Provavelmente, esta tenha sido a primeira vez que o Antigo e o Novo Testamentos foram apresentados em um único volume, agora denominado Bíblia.






A PRIMEIRA TRADUÇÃO


Estima-se que a primeira tradução foi elaborada entre 200 a 300 anos antes de Cristo. Como os judeus que viviam no Egito não compreendiam a língua hebraica, o Antigo Testamento foi traduzido para o grego. Porém, não eram apenas os judeus que viviam no estrangeiro que tinham dificuldade de ler o original em hebraico: com o cativeiro da Babilônia, os judeus da Palestina também já não falavam mais o hebraico.


TRADUÇÃO DOS SETENTA


Realizada por 70 sábios, ela contém sete livros que não fazem parte da coleção hebraica, pois não estavam incluídos quando o cânon (ou lista oficial) do Antigo Testamento foi estabelecido por exegetas israelitas no final do Século I d.C. A igreja primitiva geralmente incluía tais livros em sua Bíblia. Eles são chamados apócrifos ou deuterocanônicos e encontram-se presentes nas Bíblias de algumas igrejas. Esta tradução do Antigo Testamento foi utilizada em sinagogas de todas as regiões do Mediterrâneo e representou um instrumento fundamental nos esforços empreendidos pelos primeiros discípulos de Jesus na propagação dos ensinamentos de Deus.


OUTRAS TRADUÇÕES


Outras traduções começaram a ser desenvolvidas por cristãos novos nas línguas copta (Egito), etíope (Etiópia), siríaca (norte da Palestina) e em latim – a mais importante de todas as línguas pela sua ampla utilização no Ocidente. Por haver tantas versões parciais e insatisfatórias em latim, no ano 382 d.C, o bispo de Roma nomeou o grande exegeta Jerônimo para fazer uma tradução oficial das Escrituras.

Com o objetivo de realizar uma tradução de qualidade e fiel aos originais, Jerônimo foi à Palestina, onde viveu durante 20 anos. Estudou hebraico com rabinos famosos, e examinou todos os manuscritos que conseguiu localizar. Sua tradução tornou-se conhecida como “Vulgata”, ou seja, escrita na língua de pessoas comuns (“vulgus”). Embora não tenha sido imediatamente aceita, tornou-se o texto oficial do cristianismo ocidental. Neste formato, a Bíblia difundiu-se por todas as regiões do Mediterrâneo, alcançando até o Norte da Europa.

Na Europa, os cristãos entraram em conflito com os invasores godos e hunos, que destruíram uma grande parte da civilização romana. Em mosteiros, nos quais alguns homens se refugiaram da turbulência causada por guerras constantes, o texto bíblico foi preservado por muitos séculos, especialmente, a Bíblia em latim na versão de Jerônimo.

Não se sabe quando e como a Bíblia chegou até as Ilhas Britânicas. Missionários levaram o evangelho para Irlanda, Escócia e Inglaterra, e não há dúvida de que havia cristãos nos exércitos romanos que lá estiveram no segundo e terceiro séculos. Provavelmente a tradução mais antiga na língua do povo desta região é a do Venerável Bede. Relata-se que, no momento de sua morte, em 735, ele estava ditando uma tradução do Evangelho de João. Entretanto, nenhuma de suas traduções chegou até nós. Aos poucos, as traduções de passagens e de livros inteiros foram surgindo.


PRIMEIRAS ESCRITURAS IMPRESSAS


Na Alemanha, em meados do século 15, um ourives chamado Johannes Gutenberg desenvolveu a arte de fundir tipos metálicos móveis. O primeiro livro de grande porte produzido por sua prensa foi a Bíblia em latim. Cópias impressas decoradas à mão passaram a competir com os mais belos manuscritos. Esta nova arte foi utilizada para imprimir Bíblias em seis línguas antes de 1500 – alemão, italiano, francês, tcheco, holandês e catalão. E em outras seis línguas até meados do século 16 espanhol, dinamarquês, inglês, sueco, húngaro, islandês, polonês e finlandês.

Finalmente as Escrituras realmente podiam ser lidas na língua destes povos. Mas essas traduções ainda estavam vinculadas ao texto em latim. No início do século 16, manuscritos de textos em grego e hebraico, preservados nas igrejas orientais, começaram a chegar à Europa ocidental. Havia pessoas eruditas que podiam auxiliar os sacerdotes ocidentais a ler e apreciar tais manuscritos.

Uma pessoa de grande destaque durante este novo período de estudo e aprendizado foi Erasmo de Roterdã. Ele passou alguns anos atuando como professor na Universidade de Cambridge, Inglaterra. Em 1516, sua edição do Novo Testamento em grego foi publicada com seu próprio paralelo da tradução em latim. Assim, pela primeira vez, estudiosos da Europa ocidental puderam ter acesso ao Novo Testamento na língua original, embora, infelizmente, os manuscritos fornecidos a Erasmo fossem de origem relativamente recente e, portanto, não eram completamente confiáveis.


DESCOBERTAS ARQUEOLÓGICAS


Várias foram as descobertas arqueológicas que proporcionaram o melhor entendimento das Escrituras Sagradas. Os manuscritos mais antigos que existem de trechos do Antigo Testamento datam de 850 d.C. Existem partes menores bem mais antigas como o Papiro Nash do segundo século da era cristã. Mas sem dúvida a maior descoberta ocorreu em 1947, quando um pastor beduíno, que buscava uma cabra perdida de seu rebanho, encontrou por acaso os Manuscritos do Mar Morto, na região de Jericó.

Durante nove anos, vários documentos foram encontrados nas cavernas de Qumran, no Mar Morto, constituindo-se nos mais antigos fragmentos da Bíblia hebraica que se têm notícias. Escondidos ali pela tribo judaica dos essênios no século I, nos 800 pergaminhos, escritos entre 250 a.C. a 100 d.C., aparecem comentários teológicos e descrições da vida religiosa deste povo, revelando aspectos até então considerados exclusivos do Cristianismo.

Estes documentos tiveram grande impacto na visão da Bíblia, pois fornecem espantosa confirmação da fidelidade dos textos massoréticos aos originais. O estudo da cerâmica dos jarros e a datação por carbono 14 estabelecem que os documentos foram produzidos entre 168 a.C. e 233 d.C.

Destaca-se, entre estes documentos, uma cópia quase completa do livro de Isaías, feita cerca de 100 a.C. Especialistas compararam o texto dessa cópia com o texto-padrão do Antigo Testamento hebraico (o manuscrito chamado Codex Leningradense, de 1008 d.C.) e descobriram que as diferenças entre ambos eram mínimas.

Outros manuscritos também foram encontrados neste mesmo local, como fragmentos de um texto do profeta Samuel, textos de profetas menores, parte do livro de Levítico e um targum (paráfrase) de Jó.

As descobertas arqueológicas, como a dos manuscritos do Mar Morto e outras mais recentes, continuam a fornecer novos dados aos tradutores da Bíblia. Elas têm ajudado a resolver várias questões a respeito de palavras e termos hebraicos e gregos, cujo sentido não era absolutamente claro. Antes disso, os tradutores se baseavam em manuscritos mais “novos”, ou seja, em cópias produzidas em datas mais distantes da origem dos textos bíblicos.














FONTE




20 de julho de 2019

A ILHA DOS SENTIMENTOS AUTOR REINILSON CÂMARA.






A ILHA DOS SENTIMENTOS


Era uma vez uma ilha, onde moravam todos os sentimentos: a Alegria, a Tristeza, a Sabedoria e todos os outros sentimentos. Por fim o amor. Mas, um dia, foi avisado aos moradores que aquela ilha iria afundar. Todos os sentimentos apressaram-se para sair da ilha.

Pegaram seus barcos e partiram. Mas o amor ficou, pois queria ficar mais um pouco com a ilha, antes que ela afundasse. Quando, por fim, estava quase se afogando, o Amor começou a pedir ajuda. Nesse momento estava passando a Riqueza, em um lindo barco. O Amor disse:

- Riqueza, leve-me com você.
- Não posso. Há muito ouro e prata no meu barco. Não há lugar para você.





Ele pediu ajuda a Vaidade, que também vinha passando.

- Vaidade, por favor, me ajude.
- Não posso te ajudar, Amor, você esta todo molhado e poderia estragar meu barco novo.

Então, o amor pediu ajuda a Tristeza.

- Tristeza, leve-me com você.
- Ah! Amor, eu estou tão triste, que prefiro ir sozinha.

Também passou a Alegria, mas ela estava tão alegre que nem ouviu o amor chamá-la.
Já desesperado, o Amor começou a chorar. Foi quando ouviu uma voz chamar:






- VEM AMOR, EU LEVO VOCÊ!

Era um velhinho. O Amor ficou tão feliz que se esqueceu de perguntar o nome do velhinho. Chegando do outro lado da praia, ele perguntou a Sabedoria.

- Sabedoria, quem era aquele velhinho que me trouxe aqui?

A Sabedoria respondeu:

- Era o TEMPO.
- O Tempo? Mas porque só o Tempo me trouxe?
- Porque só o Tempo é capaz de entender o "AMOR".










Autor: Reinilson Câmara
Postado por Alberto Araújo






13 de julho de 2019

EM 14 DE JULHO CELEBRAMOS SÃO CAMILO DE LÉLIS FUNDADOR DA CONGREGAÇÃO DOS CAMILIANOS. O PADROEIRO DOS ENFERMEIROS.


EM 14 DE JULHO CELEBRAMOS SÃO CAMILO DE LÉLIS FUNDADOR DA CONGREGAÇÃO DOS CAMILIANOS. O PADROEIRO DOS ENFERMEIROS, DOS DOENTES E DOS HOSPITAIS PROTETOR CONTRA O VÍCIO DO JOGO. ALGUMAS IMAGENS DA MISSA DO DIA 13 DE JULHO EM INTENTO À ALMA BONDOSA DO SANTO CATÓLICO CELEBRADA NA PARÓQUIA SÃO JUDAS TADEU DE ICARAÍ PELO PÁROCO PADRE CARMINE PASCALE.





Padre Carmine Pascale.





Imagem de São Camilo de Lélis exposta no altar.

Coral da Paróquia São Judas Tadeu
executas lindos hinos católicos.

Souvenir recebido pelas paroquianas.



"Os enfermos são as pupilas do Coração de Jesus, e o que fizermos por eles faremos ao próprio Jesus. São Camilo de Léllis"



CAMILO DE LÉLLIS nasceu em 25 de maio de 1550, no vilarejo de Bucchianico, região de Chieti, ao sul da Itália. Sua mãe, Camila Compelli, com efeito, tinha quase sessenta anos. Seu pai, João de Lellis, era militar e passava pouco tempo em casa. O parto foi difícil, mas Camilo nasceu saudável e foi a grande alegria de seus pais.

A mãe foi quem educou Camilo na infância e adolescência. Educou-o na religião, na moral e nos bons costumes. Porém, quando Camilo tinha apenas treze anos, ela faleceu. O baque foi grande. Camilo tornou-se rebelde e passou a detestar os estudos. Então, foi viver com o pai. Foi uma experiência difícil, pois o pai era viciado em jogo. Por isso, não tinha estabilidade. Vivia mudando de quartel por ganhar e perder tudo que tinha nos jogos de azar.

Apesar dessa fraqueza, que hoje sabemos ser uma doença (a dependência do jogo) o pai amava Camilo e queria ajuda-lo. Por isso, quando Camilo fez quatorze anos, colocou-o para trabalhar no exército como soldado. A essa altura, Camilo mal sabia ler, mas tinha um corpo atlético. Por isso, sobravam para ele os serviços braçais. Por falta de escolaridade, nunca saiu do posto de soldado.

Quando Camilo tinha dezenove anos, seu pai faleceu. Como herança, Camilo recebeu apenas a espada e o punhal do pai. Nessa época, Camilo já era famoso por ser um jovem forte, violento, brigador e fanático pelo jogo. A morte do pai acentuou esses desvios de caráter de tal forma que os outros tinham medo dele. Como o pai, ele passou a ganhar e a perder tudo que tinha no jogo.

No ano 1570 um frade franciscano não teve medo de Camilo e conversou longamente com ele. Os dois se tornaram amigos. Camilo sentiu que, apesar da violência que ele cultivou alguém conseguiu enxergar sofrimento e bondade em seu coração. Isso surpreendente foi bom que ele quis entrar para a Ordem dos Franciscanos. Ao chegar ao convento, porém, seu ingresso foi barrado por causa de uma enorme ferida no pé.


Os franciscanos enviaram Camilo para receber tratamento no hospital de São Tiago, na cidade de Roma. Lá, ele teve um diagnóstico triste: seu tumor era incurável. Como não tinha dinheiro para fazer o tratamento, ofereceu-se para trabalhar como servente e conseguiu trocar sua força de trabalho pelos cuidados médicos. Porém, além da ferida no pé, ele tinha outra doença na alma: o vício no jogo. Por afundar-se no jogo, nas dívidas e em confusões, ele foi demitido.


Na rua, sem trabalho, sem dinheiro, com um tumor incurável, ficou sabendo que os frades capuchinhos estavam construindo um mosteiro. Lá, ele conseguiu o emprego de servente de pedreiro. O contato diário com os franciscanos foi mudando seu coração. Certo dia, quando ia para o trabalho, teve uma visão que mudou sua vida definitivamente. Essa visão nunca foi revelada a ninguém. Porém, depois dela, ele nunca mais voltou a jogar e se converteu profundamente. Ele tinha, então, vinte e cinco anos.

Transformado, Camilo pediu para ingressar novamente na Ordem Franciscana. Porém, por causa de sua ferida, não conseguiu. Os franciscanos, porém, conseguiram que ele fosse internado de novo no hospital de São Tiago. Lá, sua segunda estadia foi bem diferente da primeira. Ele tratava de sua ferida, sim, mas passou a cuidar dos outros doentes fazendo um trabalho de voluntário. Assistia sempre àqueles que eram mais repugnantes, os quais eram simplesmente abandonados pelos funcionários bem remunerados do hospital.

São Camilo de Léllis passou a enxergar nos doentes terminais, rejeitados e repugnantes, o próprio Cristo. Amava-os de todo o coração e passou a viver por eles. Os enfermos que tinham condições de se manifestar agradeciam emocionados pela atenção e carinho que recebiam daquele jovem forte e cheio de amor cristão. Muitos se converteram ao serem cuidados por São Camilo. Outros tantos faleceram na graça de Deus, pois Camilo os levou ao arrependimento e à confissão.

O testemunho de São Camilo de Lélis começou a atrair jovens que se dispunham a segui-lo no cuidado amoroso e gratuito aos doentes. Nesse tempo, uma santa amizade nasceu com um padre, e futuro santo, que foi decisivo em sua vida: São Filipe Neri. Este percebeu a grande graça que Deus derramara na vida de Camilo. Os dois fundaram, então, a Congregação dos Ministros Camilianos. A princípio, era apenas uma irmandade composta de voluntários dispostos a cuidar dos enfermos pobres, miseráveis, terminais, rejeitados por todos.

São Filipe Néri incentivou e ajudou São Camilo de Léllis a estudar e a vestir o hábito da própria congregação. Em 1591, aprovada pelo Vaticano, a Congregação se tornou uma Ordem Religiosa. São Camilo foi ordenado sacerdote e eleito o superior da Ordem dos Camilianos, conhecida também como a “Ordem dos Padres Enfermeiros”. São Camilo dirigiu a Ordem com firmeza por vinte anos.

Após esses vinte anos, São Camilo de Lélis dedicou os sete restantes de sua vida a ensinar como cuidar e conviver com os doentes. Suportando horríveis dores nos pés, São Camilo ia visitar os doentes nas casas. Quando era preciso, ele mesmo levava-os nas costas para o hospital dando graças a Deus pelo porte físico que tinha. São Camilo teve também o dom da cura pela oração. Por isso, passou a ser procurado por gente de todos os lugares. Tornou-se famoso e amado por toda a Itália. Tido como santo em vida por todos. São Camilo de Léllis faleceu em no dia 14 de julho de 1614, com fama de santidade. Sua canonização foi celebrada em 1746. Ele foi declarado Padroeiro dos Enfermeiros, dos hospitais e dos doentes em 1886.






ORAÇÃO A SÃO CAMILO DE LÉLLIS

“Senhor, Deus de toda a consolação, Pai rico em misericórdia, vós sois amor. Conheceis nossas necessidades e estais presente em nossos sofrimentos. Escolhestes São Camilo para cuidar dos doentes e ensinar como servi-los. Pedimos, por vossa intercessão, o dom da caridade que ilumina, fortalece e leva à plenitude a nossa vida para amar-vos também em ossos sofrimentos e servir-vos com amor em nossos irmãos e irmãs doentes. Amém. São Camilo de Léllis rogai por nós.”