7 de abril de 2011

Louco amor (loucura de poeta)





Louco amor (loucura de poeta)








No plaustro de amores

e de céu molhado de brisa

em que eu vivo – flores exalam

suaves perfumes

e os pássaros soltam cantos

nas ondas da paixão



tudo que sou

devo ao sol

este astro gigante

que me irradia



nas veias;

gôndolas de amor se aventuram

e por isso sou chamado de louco



louco porquê?

que loucura fiz

no côncavo e convexo da paixão

sou apenas aprendiz



:



ah, sou poeta!

é que poeta ama em desvario

algo simplesmente incompreensível

nuances de aurora

e garganta ressoante além do rio





lábios aureolados

e louco por beijo

absolutamente demasia



e na vastidão do céu estrelado

precisa acordar a cidade

para expor a poesia


by Albert Araujo
07-04-11

Nenhum comentário:

Postar um comentário