27 de abril de 2011

AMO-TE TANTO


Amo-te tanto


  
AMO-TE...
tão completamente
que os pulsos pulsam
inda que alucinados
algos descompassados
sem eiras nem beiras
absolutos e fulgentes
pingos de chuvas
que caem no mar
descalços e aleatoriamente


e sobre os rastros da lua
o amor crepita e grita
e lavo a alma
com os beijos da boca tua

o sol... belo astro-rei
bem cedo ilumina

e eu
escrevo um poema
cheio de amor
e estética fina

é que sou luz
e a loucura de amar-te tanto
é feita de uma flor
sedenta de paixão
e o coração de um estopim
encharcado de gasolina


©by Albert Araújo
27-04-11 

postado também site oficial:


Um comentário:

  1. Olá Alberto,
    Não conhecia este espaço de poesia. Sou Portuguesa e também escrevo, às vezes.
    Adorei os seus poemas. Que brilho transporta a sua alma!
    Parabéns

    ResponderExcluir