14 de junho de 2008

ETERNOS BEIJOS










ETERNOS BEIJOS





Entrei no quarto
Acendi o abajur
O fio da navalha
Tremia como o coração
Do frio ao fogo

Um clima de ouro
Caia as margens
Do oceano branco
Algas, rochedos e matagais...
Grafitaram em minha mente

Um gato pode ter sete vidas
E um pássaro cantar
A noite inteira
Sem pedir dinheiro

Mas...
O que pode ser concreto
Ou até mesmo irreal
São os teus beijos...
Que para mim serão eternos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário