12 de janeiro de 2008









A SEMENTE CHAMADA AMOR





Uma semente do amor

Germinou em meu peito

Era um dia de nuvens cinzentas



Chegou a tarde acesa e sorridente

E meu ser se fez feliz

Debruçando-se em águas mansas



Os meus olhos ficaram em festa

Ganhando um brilho intenso

Que parecem sorrir para o nada



Tudo em mim fala de flores

De películas românticas

De coisas comuns

De novos amores



Quando à noite a lua banha minha pele

Reverberando a química do meu farol

Sempre aceso ilumina teus caminhos

Que tomara te traga para mim...


ALBERT ARAUJO -03-08-08

Nenhum comentário:

Postar um comentário