9 de agosto de 2008

NOTURNO








NOTURNO


Amargo sem fim, uma
Rua mergulhada
No mergulho da chuva

A chuva cai
Atravessa a vida
Atravessa a calçada
E vai andando

Cai diante de mim
Uma noite vermelha
E os olhos da alma
Molha-se na chuva

A lua nova vai pela
Beira do céu
A lua cheia aparecerá
Logo após a noite
De domingo.



ALBERT ARAÚJO
07-08-08

site: http://www.albertaraujo.recantodasletras.comb.r/

Nenhum comentário:

Postar um comentário