26 de maio de 2017

ROTEIRO POR PORTUGAL COM UM PULO EM SANTIAGO DE COMPOSTELA. TEXTO DA REVISTA VIAGEM E TURISMO.

 
 Lisboa - Portugal.
 


 
DIA 1
Ponto de partida:
Lisboa
Ponto de chegada: Coimbra

Percurso aproximado: 276 km
 
Castelos, cavaleiros, batalhas. Este roteiro começa com ares de contos de fada. A Autoestrada A1, seguida da A23 e da A13, leva a um dos lugares mais misteriosos do país, em Tomar, a cerca de 140 quilômetros de distância de Lisboa.
 
Erguido no ano de 1.160 pela Ordem dos Cavaleiros Templários, em plena época das Cruzadas, o Convento de Cristo tem incríveis fachadas esculpidas em pedra, pátios, escadarias por vezes sombrias e uma impressionante capela dourada.

Reserve duas horas para a visita, antes de pegar a IC9 e a N356 em direção a mais uma viagem no tempo, 45 quilômetros adiante.
 
O Mosteiro da Batalha, na vila de mesmo nome, começou a ser construído no século 14, logo depois da vitória de Portugal diante da Espanha na Batalha de Aljubarrota, que culminou com a independência do país.
Foram mais de 150 anos até a obra, que revela elementos góticos, manuelinos e renascentistas, ser concluída. O detalhe mais curioso e inusitado da construção, declarada Patrimônio Mundial pela Unesco, são as capelas inacabadas, abertas e sem teto.
 
Hans Blosse Panteão de Dom Duarte, Mosteiro da Batalha, Batalha, Portugal O Panteão D. Duarte, capela sem teto do Mosteiro da Batalha.  
  
Meros 15 minutos separam Batalha da vizinha Leiria pela A19. A vila tem um imponente castelo no alto de um morro, mas todas as atenções aqui se voltam para um restaurante que é uma verdadeira atração turística: o Tromba Rija, onde os menus são uma orgia em que desfilam praticamente todos e mais alguns pratos portugueses.
 
O último trecho de estrada leva até Coimbra, a 77 quilômetros via A1. A pedida é descansar até o dia seguinte na linda Quinta das Lágrimas, onde o hotel ocupa um palacete do século 18.
 
Antes do jantar, que pode ser no gourmet Arcadas ou no mais informal Pedro e Inês, vale passear sem pressa pelos 12 hectares de jardins que foram palco dos encontros secretos entre o príncipe D. Pedro e Inês de Castro, protagonistas de uma das histórias de amor mais famosas (e trágicas) do mundo.
 
Quinta das Lágrimas Quinta das Lágrimas, Coimbra, Portugal A Quinta das Lágrimas, palco da trágica história de Inês de Castro e D. Pedro.



Universidade de Coimbra, Rio Mondego,
Serenata, Ruas de Coimbra.
 
 
 

DIA 2

Ponto de partida: Coimbra
Ponto de chegada: Porto
Percurso: 133 km
 
Antes de cair na estrada, aprecie a vista da cidade antiga a partir das margens do Rio Mondego e vá conhecer uma das mais antigas faculdades do mundo, cujos primeiros registros datam de 1.290.
 
Além dos belos edifícios e pátios, uma das atrações incontornáveis da Universidade de Coimbra é a Biblioteca Joanina, uma obra-prima do barroco em Portugal, com três andares erguidos entre 1.717 e 1.728.
 
Caso sobre tempo, deixe na manga a possibilidade de uma visita ao incrível Museu Nacional de Machado de Castro, que foi construído sobre a antiga cidade romana de Aemeni, repleto de galerias subterrâneas e um acervo variadíssimo de ourivesaria, cerâmica e escultura.
 
Saia da cidade pela A31, seguida da IC2, e já vá imaginando o que te espera para o almoço em Mealhada, a menos de meia hora de distância: um impecável leitão à moda da Bairrada – à pururuca, com a pele crocante e a carne que chega a derreter. O acompanhamento ideal é uma salada de laranjas e o leve espumante produzido nos vinhedos dos arredores.
 
Há vários restaurantes espalhados pela estrada, mas não perca tempo e vá direto ao imbatível Pedro dos Leitões, onde os fornos aquecidos por lenha de videira espalham um delicioso cheiro no ar.
 
Deixe a sobremesa para a próxima parada: Aveiro, pouco mais de 40 quilômetros adiante através da A1 e da N235. Para bom entendedor, duas palavras bastam: ovos moles.
 
O doce típico da cidade é um creme aveludado, envolvido por uma massinha que lembra uma hóstia, capaz de fazer esquecer, ainda que temporariamente, qualquer pastel de natas ou toucinho do céu.
 
O melhor cenário para a extravagância é o Centro da cidade, em que passa o Rio Vouga, coroado de barquinhos coloridos e cercado de confeitarias.
 
O Porto, destino do dia, está a 75 quilômetros pela A1. No coração do centro histórico, o moderninho The House é o hotel perfeito para explorar acidade a pé nos próximos dois dias. O hotel não dispõe de garagem, mas tem convênio com o estacionamento Faba Ribeira, na mesma rua, com diárias a 20 euros para hóspedes.
 
Para a hora do jantar, a menos de cinco minutos de caminhada, fica o DOP do Chef Rui Paula, que serve clássicos da culinária portuguesa em um ambiente moderninho.






Porto - Portugal


 
 
DIA 3
 
Percurso: o melhor do Porto
Dia de bater perna. Saindo do hotel, siga para a Zona da Ribeira, a poucos passos. Escolha um café para apreciar a vista da bela Ponte D. Luís I, construída no final do século 19 por um discípulo do francês Gustave Eiffel, e deixe-se ficar ao sabor do vento – e do desfile de barquinhos coloridos no Douro.
 
A poucos passos de distância fica a impressionante Igreja de São Francisco, erguida no século 14 e inteiramente revestida de talha dourada quatro séculos mais tarde – sem dúvida, um dos mais impressionantes exemplares do barroco português.
 
O edifício bem ao lado abriga o Palácio da Bolsa, uma bela construção do século 19 onde se destacam o Pátio das Nações, ladeado por brasões dos países que mantinham relações comerciais com Portugal na época; e o Salão Árabe, com decoração inspirada na Alhambra, de Granada, na Espanha.
 
Saindo de lá, atravesse o Jardim do Infante D. Henrique e pegue a Rua do Mouzinho da Silveira à esquerda e vire à direita na Bainharia. Siga adiante até chegar à Sé, a impressionante catedral que é uma das construções mais antigas do país.
 
De lá, tome o rumo da Estação de São Bento, a menos de cinco minutos de caminhada. Fica na próxima rua, a da Madeira, o Tapabento , um simpático restaurante de ares mediterrâneos, ideal para um almoço informal.
 
Depois do cafezinho, é hora de deixar a zona histórica e mergulhar no lado mais moderno da cidade. Aproveite para admirar o painel de azulejos de autoria do artista português Jorge Colaço, no Hall da São Bento, e pegue o metrô até a Estação Casa da Música.
 
A visita ao projeto do superarquiteto holandês Rem Koolhaas vale a pena mesmo que seja apenas do lado de fora, mas a visita guiada à Casa da Música é interessantíssima – e paga-se 10 euros pela entrada, que inclui também o acesso à Fundação de Serralves, aonde se chega de Uber por uns 7 euros. O lugar abriga o melhor museu de arte contemporânea do Porto, um projeto do arquiteto Siza Vieira.
 
Encerre a noite na Baixa, em um dos mais novos restaurantes da cidade, o Vingança (Rua da Picaria, 84), onde se escolhe o prato principal (a vingança) pela temperatura: frio (caso do ceviche de garoupa com milho crocante), morno (como o ovo trufado com purê de aipo e cogumelos) ou quente (que tal o novilho assado com batatinhas e cebolas caramelizadas).



Braga - Portugal


 

DIA 4

Ponto de partida: Porto
Ponto de chegada: Braga
Percurso: 81 km
O dia é dedicado ao Minho, terra fria e famosa pela produção dos vinhos verdes portugueses, e o primeiro destino é uma das mais belas cidades medievais do país.
 
Guimarães fica a pouco menos de 60 quilômetros do Porto, pelas autoestradas A3 e A7, e, não bastasse ser o berço de Portugal, revelou-se um imperdível destino gastronômico graças a uma inauguração que tem dado o que falar.
 
Aberto em julho de 2016, no Largo do Serralho, A Cozinha é comandado por António Loureiro, vencedor em 2014 do principal concurso gastronômico português e com passagem pelo três-estrelas Azurmendi, no País Basco.
 
A proposta do chef, com receitas que variam segundo os ingredientes mais frescos no mercado, é a releitura de pratos do norte do país. É fundamental reservar com antecedência.
 
Os arredores do restaurante estão pipocados de belos edifícios dos séculos 15 ao 19, e rendem uma gostosa caminhada. Antes ou depois de se esbaldar à mesa, visite o Castelo, uma fortaleza do século 10 superbem preservada, onde nasceu o primeiro rei português, no século 12.
 
Na sequência, visite a Igreja de São Francisco, no Largo de São Francisco, a cerca de 3 quilômetros de distância, famosa por seu interior todo revestido de belos azulejos.
Braga, o próximo destino, está a apenas 25 quilômetros pela A11. Aproveite o final do dia para passear a pé pelo seu centro histórico, onde a grande estrela é aSé Catedral de Braga, do século 12.
 
Dono de localização estratégica para o primeiro passeio na manhã seguinte, o Meliá Braga Hotel e Spa tem também um dos melhores restaurantes da cidade, o El Olivo, com opções que vão de fondant de alheira apeito de pato com arroz cremoso de embutidos.


Ponte de Lima - Portugal.


 
 
DIA 5
Ponto de partida: Braga
Ponto de chegada: Ponte de Lima
Percurso: 72 km
 
Comece o dia no Santuário do Bom Jesus do Monte, a apenas cinco minutos do hotel, um dos principais destinos de peregrinação católica do país. Independentemente da religião, a construção, finalizada no início do século 19, é impressionante e vale a visita.
 
Para atingir o topo, onde fica uma basílica, existe uma via-sacra composta por diferentes lances de escadas, cercados de bonitos jardins (há, também, um funicular, considerado o primeiro da Península Ibérica).
 
Cerca de meia hora de asfalto pela Via A11 leva a Barcelos, terra do maior ícone português de todos os tempos nascido de uma lenda.
 
É possível encontrar diferentes versões do famoso galo no Centro de Artesanato (Rua D. Diogo Pinheiro, 25), que reúne trabalhos dos principais artistas locais.
 
O próximo destino é a vila mais antiga de Portugal, Ponte de Lima, a cerca de 50 quilômetros pela A3. O almoço pode ser na Taverna Vaca das Cordas, onde, para não errar, basta pedir os pratos mais famosos: o bacalhau à moda da casa, feito com broa, e, para finalizar, a torta de limão com suspiros e raspinhas.
 
Depois, a pedida é explorar o centro histórico, banhado pelo Rio Lima. Não deixei de passar pela Rua Beato Francisco Pacheco ou pelo Largo do Chafariz. E jamais considere ir embora sem cruzar a emblemática ponte que dá nome à vila – sua origem está ligada aos tempos do Império Romano, mais de 2 mil anos atrás.
 
É ponto de passagem de peregrinos que vão aSantiagodeCompostela pelo caminho português. Para uma noite em grande estilo, considere o Carmo’s Boutique Hotel, instalado num casarão com belo jardim, piscina e spa. O jantar pode ser servido ao ar livre, e deve ser solicitado com antecedência.


Santiago de Compostela - Espanha.


 

DIA 6

Ponto de partida: Ponte de Lima
Ponto de chegada: Santiago de Compostela
Percurso: 154 km

Cerca de duas horas de estrada, via A3, em Portugal, e AP9, na Espanha, levam à reta final do percurso através das terras verdejantes da Galícia.
 
Destino de mais de 260 mil peregrinos por ano, SantiagodeCompostela é bem mais que destino religioso. Além de dono de um belo centro histórico, trata-se de um dos melhores destinos gastronômicos do país e uma animada cidade universitária.
 
Antes de se embrenhar pela cidade, vale fazer uma parada estratégica para o almoço numa verdadeira instituição local, o restaurante Dezaseis.
 
O ambiente é simples e rústico, mas a comida é das melhores da região. A estrela da casa é o polvo grelhado (polpo a grella). Para acompanhar, comemore a chegada com um brinde dos ótimos vinhos Albariño, produzidos na região.
 
Reserve a parte da tarde para a principal atração local e seus arredores. A Praza do Obradoiro é o centro de tudo. Fica lá a entrada monumental da Catedral de Santiago, através da Porta da Glória, impressionante com as suas 200 esculturas que representam a bíblica história da salvação.
 
As origens do templo remontam ao século 11, e é possível ver resquícios do seu passado no subsolo através de ruínas arqueológicas. São também imperdíveis o Museo da Catedral, com acervo espalhado por quatro andares; o Palacio de Gelmírez, casa do bispado do século 12; e a subida ao topo da construção, que descortina lindas vistas da cidade.
 
As missas dos peregrinos acontecem todos os dias, ao meio-dia e às 19h30min. Em dias santos e feriados religiosos, o espetáculo fica por conta do gigantesco incensário, ou bota-fumeiro, uma peça de mais de 50 quilos pendurada a 20 metros de altura, balançada por, pelo menos, oito homens entre as naves.
 
Quem puder passar a noite em grande estilo pode se hospedar bem em frente, no Hostal dos Reis Católicos, um belo edifício do século 16. Uma opção mais barata bem pertinho é o Costa Vella, recheado de convidativos jardins.
 
É um bom programa, de toda forma, conhecer o hostal e jantar por lá. O restaurante Especia serve bons pratos de frutos do mar sob arcadas de pedra.

 

DIA 7

Percurso: o melhor de Santiago de Compostela
 
Comece a manhã cedinho no Mercado de Abastos, fundado em 1873, e aproveite para aprofundar o conhecimento sobre os produtos da região – não deixe de provar o famoso queijo local, que tem um curioso formato de mama, e os mariscos fresquíssimos (a Galícia é conhecida como a terra dos melhores e mais exóticos frutos do mar na Espanha).
 
Depois, reserve o dia para caminhar sem pressa por ruelas e becos calçados de pedra e cheios de charme do centro histórico. Há belos edifícios e impressionantes igrejas, como a do Monasterio de San Martín Pinario (Praza da Inmaculada, 5).
 
Quando bater a fome, prove as delícias do Auga e Sal (augaesal.com). Para começar, há um ótimo foie gras servido com figos grelhados ou o bogavante, uma espécie de lagosta, ao molho de laranja de entrada. Na sequência, a merluza ao molho de manteiga negra é uma das melhores apostas.
 
Deixe a sobremesa para uma confeitaria a menos de cinco minutos de caminhada. A Pastelería Mercedes Mora (Rua do Vilar, 50) prepara doces tradicionais e serve a melhor torta desantiago da cidade – espécie de bolo de amêndoas coberto de açúcar.
 
  

Quando ir

Quanto mais ao norte de Portugal, mais rigoroso é o inverno. Isso significa que, a partir do Porto, pode fazer bastante frio entre os meses de outubro e março. De abril a setembro as temperaturas costumam ser agradáveis.
 
Braga recebe uma das maiores e mais bonitas procissões do país durante a Semana Santa. Em agosto, Santiago de Compostela costuma lotar.
 
Chuvas não chegam a assustar: a cidade fica especialmente mágica com suas calçadas de pedra refletindo a imponência de suas construções. As festas do apóstolo Santiago acontecem na última quinzena de julho, sendo que, no dia 24, acontece um mega espetáculo de projeções de luzes e fogos de artifício.
 
 





 
 
 
FONTE:
 
 





 

Nenhum comentário:

Postar um comentário