17 de novembro de 2012

MINHAS TROVAS FILOSÓFICAS - JOSÉ PAIS DE MOURA









Minhas Trovas Filosóficas

 

                       I                                                                  VII

    Mudamos nós com o tempo,                     A saudade, é sentimento,

    e cada com o seu fado.                              amor puro, é, também sim.

    Eu tomo como argumento,                       Sinto por tal, um alento,    

    desse tempo: velho, cansado!                   alento sem ter um fim.

          II                                                                 VIII

   As mágoas, como são duras                        Nem toda a cruz, é pesada,                     

   seja qual seja a razão...                               depende, do que foi feito.

   Queira ou não, amarguras                         Nem sempre aos ombros levada,

   em meu doce coração.                                 e mais pesa... dentro do peito.

         III                                                                   IX

  Faz dor, também a saudade,                       Esqueci de namorar,                                                                 

  seja em que peito morar,                             minha amada como ralha.                                                                 

  deixa sempre ansiedade                               Esquecimento: é falhar...                                                    

  de chorar.... e não chorar!                           Só a morte jamais falha!                         

          IV                                                                    X

  Da tua ausência, rezei,                                 Não me chames de palhaço                                             

  agora sim, de mim perto,                             frontalmente, ás descaradas...

  muito te amo, amarei...                                antes de veres o que faço,                 

  Minha reza... como deu certo!                     não faças tu, palhaçadas.

          V                                                                      XI

             Muita saúde é grandeza,                              Esse seu sorriso aquece,

  saúde por Deus doada.                                 transborda minha afeição.                                      

  Não te queixes da pobreza...                       Se chora, tanto entristece                       

  pobre aquele que não tem nada.                este meu... seu coração.                 

         VI                                                                      XII

  Batem sinos a preceito,                                Eu sempre supus, suponho,

  os fieis, em prontidão...                                da terrinha não me furto...

  as batidas de teu peito                                  e noites, se muito sonho

  são para mim... sedução!                             esse caminho é, mais curto!                                                                   

                                   

  

 Niterói/Brasil

 Novembro/2012                                                                                                 Zé Pais                                                                                                    

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário