26 de outubro de 2010

SEREIA, QUE MARAVILHA






Sereia;
Saem dos olhos
Os corais, as conchas
Os peixes e maresias.

E o que vem
A minha casa – ao meu leito?
A sua cabeça alada.

E o sacro amor
Quando se encarna
No coração – torna-se FOGO
E toda sua integridade é absoluta.
ALBERT ARAÚJO

Nenhum comentário:

Postar um comentário