2 de novembro de 2017

EXPOSIÇÕES CELEBRAM OS 200 ANOS DA CHEGADA DA IMPERATRIZ DONA LEOPOLDINA AO BRASIL.


 
(Arte mera ilustração do Focus Portal Cultural)

 
 
 
O interesse pela personalidade histórica DONA LEOPOLDINA nascida Maria Leopoldina Carolina Josefa de Habsburgo-Lorena que veio ao mundo na cidade de Viena, Áustria, em 22 de janeiro de 1797, tem alastrado devido a  efeméride: Os 200 anos de sua chegada ao Brasil. Em fevereiro de 2013 a arqueóloga e historiadora Valdirene Ambiel divulgou os resultados de suas pesquisas feitas com os remanescentes humanos da monarca, sepultados na cripta dentro do Monumento ao Centenário da Independência, em São Paulo – SP.
 
 
A partir de então, se observou entre a imprensa e o público em geral, maior interesse sobre a vida da primeira Imperatriz consorte do Brasil.
 


Maria Leopoldina de Habsburgo-Lorena, arquiduquesa da Áustria e Imperatriz do Brasil,  esposa de D. Pedro I, ela desempenhou um importante papel no processo de emancipação política do país, embora sua atuação ser pouco conhecida pelos brasileiros.
 
A imperatriz faleceu no Rio de Janeiro, em 11 dezembro de 1826 . 
 
 
Para celebrar o bicentenário da chegada da imperatriz Maria Leopoldina ao Brasil (1817-2017), a Câmara dos Deputados abriu, terça-feira (31 de outubro de 2017), duas exposições: uma fotográfica e outra de objetos e documentos da imperatriz.

As mostras estarão abertas ao público até o dia 12 de novembro, das 9 às 17 horas.
 
Na mesma ocasião, será lançada, pelas Edições Câmara, uma coletânea de documentos de domínio público.
 
 
 
Solene
 
 

No dia 7 de novembro, às 10 horas, a Câmara realizará uma sessão solene para premiação dos concursos em homenagem à imperatriz e obliteração do selo comemorativo dos Correios. A sessão ocorrerá no Plenário Ulysses Guimarães.
 
 
A imperatriz
 

Nascida em Viena, filha do imperador Francisco I da Áustria e de Maria Isabel de Bourbon, Maria Leopoldina foi educada em uma das mais poderosas cortes europeias da época. Apreciadora de botânica e mineralogia, a imperatriz foi preparada para manter fidelidade à monarquia absolutista. Entretanto, acabou por assumir papel de protagonismo na libertação da colônia de Portugal.
 
Coube a Leopoldina, esposa de Dom Pedro I, então princesa regente do Brasil por conta de uma viagem do marido a São Paulo, presidir a reunião do Conselho de Estado que deliberou pela independência do Brasil. Em seguida, em carta ao marido, escreveu: “O pomo está maduro, colhei-o já, senão apodrecerá”.
 
As homenagens da Câmara dos Deputados à Maria Leopoldina se inserem na celebração dos 200 anos da Independência do Brasil, que ocorrerá em 2022.
 
 

 
 
 
 
 
 CONVITE PARA EXPOSIÇÃO
 




 

CONVITE OFICIAL


 
 
 
A exposição pode ser conferida
no corredor de acesso ao Salão Verde
 
 
Câmara dos Deputados
Palácio do Congresso Nacional
          Praça dos Três Poderes - Brasília - DF 
Horário de atendimento ao público: 9h às 19h
Telefone: (61) 3216-0000 |
Disque-Câmara: 0800-619-619

 
 
 

D. Pedro I e Leopoldina:
ela morreu quatro anos após ter sido coroada
 
 
Acordo de casamento de Leopoldina e Dom Pedro
completa 200 anos -
Foto - Jornal O Globo
 
Dona Leopoldina presidindo sessão do Conselho de Estado,
por Georgina de Albuquerque.
 
 
Dona Lepoldina e Dona Isabel em pintura inédita e nunca divulgada.
O quadro pertence a coleção privada de membros da Família Imperial do Brasil
 
 

 

 


 


APOIO NA DIVULGAÇÃO
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
FONTES
 
Da Redação - ND
Com informações da
Assessoria de Imprensa da Câmara dos Deputados       
 
 
 
 
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário